Não espere por 2018. Comece seu novo projeto agora!

Há alguns dias li um tweet com uma reflexão muito interessante a respeito de viagens no tempo e acho que ele resume bem o que quero compartilhar com você neste último encontro de 2017. Não vou me lembrar das palavras exatas mais a ideia era a seguinte...

Já reparou que nos filmes o uso das máquinas do tempo é praticamente o mesmo? Quando alguém inventa uma máquina dessas, o principal objetivo do inventor é voltar no tempo e realizar uma pequena mudança que altera toda a linha do tempo e, consequentemente o presente. 

Apesar de não termos uma máquina do tempo para fazer o mesmo, ao olharmos para trás, fica bem claro que algo funcionou como um gatilho, que encadeou uma serie de acontecimentos, que, por sua vez, se traduzem na situação presente de nossas vidas. Em outras palavras, há sempre aquele momento que nos fez mudar de curso.

Sabendo disso, por que deixar o ano simplesmente passar? Se não fazemos algo diferente, o resultado será invariavelmente o mesmo. Em dezembro repetiremos a frase de sempre:

"—Nossa, como este ano voou".

Meu convite para 2017, não 2018, é que você comece a colocar em prática qualquer projeto. Não deixe para o dia primeiro de janeiro. Lembre-se, é um feriado e você provavelmente estará de ressaca. Comece agora, nem que sejam apenas elaborar um plano de ação consistente. Simplesmente comece! 

Estou insistindo nisso há algumas semanas porque essa pequena mudança na minha forma de pensar me ajudou demais e sinceramente desejo o mesmo para você. E não tenha medo de errar. Vai acontecer. Você provavelmente terá que ajustar o curso ou recomeçar. Nem sei quantas vezes já errei e recomecei.

Meu Canal no YouTube é um excelente exemplo. Tenho certeza que comecei ele no momento errado. Em 2013 deveria ter investido no YouTube em lugar do podcast. Quando percebi o vacilo, eu só tinha duas escolhas: continuar insistindo no erro ou tentar o YouTube. Optei pelo novo. Em agosto de 2016. Estava no meio de um monte de projetos, mas precisava começar a experimentar o YouTube. Não dava mais para esperar.

Resultado? Crescemos de mil e poucos assinantes para quase 6 mil em basicamente um ano. Não tenho dúvida de que fizemos isso juntos e só tenho a te agradecer. Mas algo eu fiz sozinho: o passo inicial. Este crédito é só meu. E é isso que desejo para você. Dê o passo inicial para qualquer um dos seus projetos ou sonhos ainda esta semana, ainda em 2017. E vá em frente. Não desista! Se precisar mudar de curso, mude, mas não desista!

E por falar em crescimento do YouTube, aproveito para pedir uma ajudar. Preciso dobrar o número de assinantes, chegar a 10 mil, para desbloquear uma série de recursos que me ajudarão a compartilhar ainda mais em 2018. Por favor, convide um amigo para assinar o canal. Só um! Se cada um de nós convidar uma pessoa, chegaremos aos 10 mil. Envie para ele o endereço http://vladcampos.tv e diga o que acha do Canal.

Este é nosso último contato por aqui em 2017 e estou também dando uma pausa nos vídeos porque semana que vem, a última do ano, farei uma pequena reforma no meu escritório, que também é meu estúdio. O plano é que fique pronto ainda em 2017.

E você? Qual o seu plano para a última semana do ano? Coloque seu plano em prática também. Ainda em 2017!

Boas festas para você, os familiares e os amigos. E um excelente 2018 para todos nós!

Será que a Técnica Pomodoro realmente funciona?

Será que a Técnica Pomodoro ainda faz sentido nos dias de hoje? Afinal, ela foi criada em circunstâncias bem diferentes na década de 80. Começo esse episódio com uma explicação de como ela funciona e depois partimos para os desafios de usar essa técnica em um mundo repleto de interrupções.

Além disso, vou compartilhar com você os prós e contras e tudo que aprendi depois de experimentá-la por um bom tempo e como aplico todo esse aprendizado nas minhas atividades diárias.

A técnica foi criada por Francesco Cirillo nos anos 80 para que ele conseguisse se concentrar no estudos. Com a ajuda de um cronômetro de cozinha, ele imaginou o seguinte cronograma. Estudar focado por 25 minutos e descansar por 5 minutos.

Para colocar a técnica em prática, você precisa de muito pouco. Basta um cronômetro e um pedaço de papel e lápis ou caneta para contabilizar seus Pomodoros. De posse desse material, você planeja o que vai fazer, estimando quantos Pomodoros acredita que vai gastar, liga o cronômetro e mãos à obra.

Mas, lembre-se, um detalhe muito importante da técnica é que você precisa bloquear todas as interrupções possíveis. Ou seja, desligar as notificações do seu celular, fechar a janela do Facebook e assim por diante. É essa a base que vai te levar a ser muito mais eficiente porque você não perderá tempo alternando entre tarefas.

E para descobrir se você acertou a estimativa de tempo que gastaria naquela tarefa, marque um “X” no papel a cada 25 minutos. Depois de 4 Pomodoros, você vai descansar um pouco mais, de 15 a 30 minutos. Ao concluir a tarefa, some os Pomodoros e compare os gastos com os que você imaginou que gastaria. Com esses números você descobrirá quanto tempo realmente investe em cada atividade e como pode melhorar sua forma de trabalhar.

Esse é um pequeno resumo da técnica, mas há muito material gratuito disponível ao alcance de uma busca no Google. Meu objetivo não é te explicar a técnica em detalhes e sim conversar sobre os problemas que encontrei e o que carrego de positivo comigo até hoje.

Quais os desafios?

Em primeiro lugar, como acontece com diversas outras técnicas, o Pomodoro tem regras bem rígidas. Por exemplo, o intervalo de 25 minutos não pode ser quebrado e, pessoalmente acho bastante contraprodutivo interromper uma atividade aos 25 minutos quando você percebe que ela pode ser concluída com 26 ou 27 minutos.

Outra grande dificuldade é que se um Pomodoro for interrompido porque seu chefe te chamou ou porque um colega de trabalho te pediu um favor, você, teoricamente, não pode contar aquele Pomodoro. E convenhamos, é muito difícil não ser interrompido no ambiente de trabalho.

Mas organize-se. Existem uma série de interrupções nos dias de hoje que você pode evitar. Provavelmente a principal seja o WhatsApp, mas o Facebook, Instagram, Snap, o telefone o cafezinho, cigarro etc. também são seus inimigos. Desligue as notificações e concentre-se no trabalho ou estudo.

E quando você está sentado em uma biblioteca estudando ou trabalhando sozinho em algum projeto, o Pomodoro é muito fácil de ser colocado em prática e vai funcionar muito bem.

Siga as instruções e adapte a técnica

Se você não é um estudante ou seu ambiente de trabalho for um caos, recomendo que treine o Pomodoro à risca em alguns projetos pessoais na sua casa. Faça isso por um bom tempo para aprender a se desintoxicar de tudo que atrapalha sua concentração. No começo vai ser difícil, mas você perceberá que ao ficar imerso no Pomodoro, o trabalho vai render muito e isso vai te trazer cada vez mais satisfação.

Depois de praticar por algum tempo, adapte o Pomodoro a realidade do seu ambiente de trabalho. Aumente ou diminua os períodos de 25 minutos, mas lembre-se, sua mente precisa de intervalos para descansar. Outra dica é dizer para os colegas que você está usando o Pomodoro e isso vai te ajudar a diminuir as interrupções. E se eles não conhecerem a Técnica Pomodoro, mande o vídeo para eles.

O que prendi e com o uso a técnica?

O mais importante aprendizado foi o foco. É muito fácil se isolar de algumas interrupções do nosso dia porque nós, na verdade, temos controle sobre elas. Por exemplo, não tenho alertas sonoros para e-mails no meu celular. Trabalho apenas com as notificações dos ícones ligadas. Dessa forma não sou interrompido toda vez que chega um novo e-mail. Quando tenho um tempo, olho para a tela do celular e abro os aplicativos com as notificações.

Penso que atualmente o WhatsApp é o maior inimigo da produtividade porque o costume geral é imaginar que você está sempre a disposição. Portanto, coloque o telefone em modo avião temporariamente quando for realizar suas atividades usando ou não o Pomodoro e verifique as mensagens apenas em momentos específicos do dia.

Outro aprendizado importante que a técnica me trouxe foi a compartimentalização de atividades. Alternar entre atividades o tempo todo não é eficiente porque nós não funcionamos bem em multi-tarefa. A verdade é que se perde um tempo dando com isso. 

O que faço é usar os Cadernos no meu Evernote para cada atividade. Tudo que preciso para os projetos está sempre sendo enviado para os Cadernos e quando começo a trabalhar em algo, apenas abro o Caderno e mergulho naquela atividade. É como se eu tivesse uma caixa cheia de papeis e documentos para trabalhar. Quando estou lidando com aquela caixa, nada mais importa.

Foi assim que adaptei e que atualmente uso a técnica junto com outros aprendizados e explorando a flexibilidade do Evernote. E você? Usa o Pomodoro? Adaptou algo? Compartilhe sua experiência nos comentários.

Aula 1 - Primeiros passos para dominar suas tarefas usando o Evernote e o Trello

Para que você aproveite melhor essa e as próximas aulas, sugiro que siga meu Canal no YouTube porque todas as aulas serão publicadas também em formato de vídeo. E caso goste do conteúdo, te convido a participar do Patreon para que eu possa produzir ainda mais conteúdo como este.

Gestão de Tarefas

Há alguns anos meu sistema de tarefas pessoais e profissionais funciona dentro do Evernote com a ajuda de Lembretes, Etiquetas e alguns conceitos e práticas que tomei emprestados do Scrum e Pomodoro.

Prefiro fazer dessa forma porque todo conteúdo que preciso já está dentro do aplicativo e me parece mais simples e conveniente manter a gestão de atividades por lá também. Porém, há muita gente que não concorda comigo e prefere as tarefas em um local específico. Para todos vocês que pensam assim, começo hoje a produzir conteúdos juntando o Evernote a diversos outros aplicativos. O primeiro da lista é o Trello.

+ Você sabe o que é Scrum?
+ Introdução à técnica Pomodoro
+ Gerenciando tarefas com o Todoist e o Evernote

Se você já usa o Trello, vou te pedir um pouco de paciência. Uma parte do ouvintes e leitores não está familiarizado com o serviço e precisarei explicar alguns conceitos básicos. Depois que o conhecimento estiver nivelado, partimos juntos para a integração com o Evernote e outros serviços para montar um sistema de tarefas mais abrangente e completo.

O Trello

Trata-se de uma ferramenta voltada para gestão de projetos em equipe, mas ele é tão versátil que pode também funcionar para gerenciar suas tarefas pessoais utilizando apenas a conta gratuita. Os elementos estruturais do Trello são os seguintes:

  • O Quadro, conhecido como Board na versão em inglês, é o espaço no qual você guarda suas listas de tarefas de um determinado projeto ou trabalho;
  • As Listas, que ficam sempre dentro de um Quadro são formadas por um conjunto de tarefas;
  • Os Cartões, que ficam dentro das Listas, são as tarefas propriamente ditas. Portanto, o Cartão é o núcleo do Trello. Mas é importante que você saiba que ele é extremamente poderoso e suporta uma série de configurações interessantíssimas.

Dica: assista a videoaula para entender melhor essa estrutura.

Tipos de conta

  • Business Class e Enterprise, que são mais voltadas para trabalho em equipe;
  • Gold, que é uma conta intermediária;
  • Gratuita, que é a que utilizaremos nas próximas aulas.

Portanto, o primeiro passo é criar uma conta gratuita para você no Trello. Vou te pedir para fazer isso usando meu link associado porque assim ganho alguns pontos. Basta clicar em vladcampos.com/trello e depois pressionar o botão “Cadastre-se no Trello. É gratis!”. Depois assista meu vídeo para entender os principais fundamentos do aplicativo

Conexão com outros serviços

O que chamou minha atenção recentemente foi uma mudança no que eles chamam de power-ups. Não se preocupe com a terminologia agora, nos próximos textos e vídeos você entenderá tudo. Apenas tenha em mente o seguinte: usuários gratuitos agora podem conectar um aplicativo ou serviço ao Trello. E no nosso caso, vamos conectar o Evernote e entender como as duas ferramentas jutas aprimoram enormemente o potencial de cada uma delas trabalhando de forma separada.