Adeus Skitch?

Por favor, não me entenda mal, adoro o Skitch, mas é uma questão de estratégia. O novo CEO da Evernote já havia dito que a empresa pretendia, a partir daquele momento, trabalhar com foco no elemento principal do aplicativo, as Notas. Começaram descontinuando o Hello e o Food e agora chegou a vez de mais uma leva de serviços que partirão.

  1. O Clearly eu mesmo já havia descontinuado. O futuro dele era tão evidente para mim, que o excluí da ultima atualização do meu livro. Realmente não há sentido algum em manter dois aplicativos que fazem praticamente a mesma coisa. O Web Clipper foi priorizado e vem evoluindo muito;
  2. O Evernote para Pebble eu nunca usei. Adoro meu Pebble, adoro o Evernote, mas não faz sentido ter apenas uma cópia da estrutura de Notas no pulso. Simplesmente não é eficiente. Tanto que a versão para Apple Watch tem funções bem específicas, que aliás, são muito parecidas com as do Powernoter;
  3. Já o Skitch é uma outra história. É um dos serviços Evernote que mais uso no Mac para melhorar a comunicação via imagens dos meus livros e interação com desenvolvedores, clientes etc. Na prática, tudo que preciso selecionar, marcar e mostrar para alguém é feito via Skitch. Mas descontinuar o aplicativo não significa que ele morreu! A propósito, a versão para Mac continuará a existir.
Logo original do Skitch antes de ser comprado pela Evernote.

Logo original do Skitch antes de ser comprado pela Evernote.

O Skitch foi comprado e aos poucos incorporado ao Evernote. Hoje suas funções estão em toda parte. Dentro de cada Nota, lá no topo, existe uma letra “a” (Mac e Windows). Clique e, dependendo do seu tipo de conta, poderá marcar imagens e PDFs. O Web Clipper também tem o Skitch embutido. Você pode recortar partes de sites, marcar o que quiser e salvar no seu Evernote ou compartilhar com alguém via link público ou Work Chat.

Foco é algo muito difícil e, ao mesmo tempo, extremamente importante. Quando a Apple estava quase falindo, foi o foco em um reduzido conjunto de produtos que ajudou Jobs a reergueu a empresa que é hoje uma das maiores do mundo. A Microsoft tem seguido o mesmo caminho. Comprou aplicativos, descontinuou alguns, adaptou outros e tudo em nome de uma nova estratégia que foi definida para a empresa. E perder o foco ao longo da jornada é relativamente comum. Nicholas Carlson, fala muito sobre isso no livro Marissa Mayer And The Fight To Save Yahoo. O lado positivo é que é possível reencontrar o equilíbrio e voltar à rota planejada.

E, por favor, não se apavore, já comecei a trabalhar em pautas de alguns episódios do Diário de um elefante para ilustrar como você poderá continuar a fazer as coisas usando o Skitch dentro de Notas ou via Web Clipper.

 

VCP 176 - Por que venho me tornado mais produtivo usando um Android?

Migrei do Palm para um iPhone 3G e, desde então, venho comprando um novo modelo da Apple a cada dois anos ou mais. Atualmente utilizo um iPhone 6, mas tenho me interessado cada vez mais pelo Android por uma série de razões. Para começar, o casamento do Pebble como o sistema da Google é muito melhor e, conforme já declarei algumas vezes, prefiro a versão do Evernote para Android.

Venho acompanhando o sistema da Google desde que era apenas um projeto desconhecido. Ao longo dos anos ele evoluiu muito e hoje está mais estável e bem acabado. Além disso, quase todos os aplicativos que utilizo no iOS já existem na Play e, em alguns casos, com características e vantagens que não podem existir no sistema da Apple por conta de limitações impostas pela empresa. Enfim, o Android Marshmallow está chegando e pode ser o empurrão que faltava para minha migração.

VCP 170 - Pebble: um ano depois

No dia 30 agosto de 2014 comprei um Pebble e desde então o relógio saiu do meu pulso apenas quando precisava ser recarregado. Diferente do Apple Watch e Android Wear, não há interação via tela, mas outras funções são bastante semelhantes. Aplicativos, notificações e alguns serviços funcionam como nas outras plataformas. Neste episódio falo sobre minha experiência e o que gosto e não gosto no Pebble depois de um ano de uso.