Os 3 Apps que mais uso. (LIVE) | 236

Semana passada aconteceu a primeira LIVE exclusiva para os Membros do Canal. Conversei a respeito dos 3 aplicativos que mais uso e como uso cada um deles. Depois ouvi os presentes para conhecer os aplicativos de cada um e dar minha opinião. No final, conversamos sobre diversos outros assuntos. Adorei a experiência!

Trata-se de um conteúdo exclusivo, mas decidi colocar este primeiro aberto no Canal para que você conheça um pouco do trabalho que é realizado para os Membros. Se achar interessante e desejar participar, sua ajuda será muito bem-vindo(a). Cada contribuição, por menor que seja, é muito importante para o Canal.

Os três serviços que mais uso são o Evernote, o Trello e as ferramentas do Google centralizadas no Google Drive. O Evernote é cada vez mais um espaço para coleta, armazenamento e localização de conteúdo. Tanto para arquivo, quanto para acesso a material de referência e estudo.

O Trello é muito importante para organizar meus fluxos de atividade, aplicar o Kanban e também para ensinar alunos e clientes. E uma vez que ele se integra muito bem ao Evernote e Google Drive, tenho acesso a todo material necessário para trabalhar.

Já o Google Drive funciona como armazenamento para conteúdo mais pesado como as minhas fotos, os vídeos originais antes da edição para publicação no Canal, as imagens usadas nas capas e arte do podcast, documentos formais como contratos etc.

Além da integração natural entre os tês serviços, uso também algumas automações do Zapier para simplificar ainda mais as minhas atividades diárias. Enfim, está tudo explicado em mais detalhes no vídeo.

Se você um Membro do Canal, nos vemos na primeira terça feira do mês que vem. Caso não seja, por favor considere a possibilidade de se tornar um Membro Colaborador. Pelo valor de um cafezinho por mês você ajuda a manter tudo que produzo gratuitamente e ainda recebe conteúdo exclusivo.

Gostou da live? Por favor, deixe seus comentários e compartilhe o vídeo com amigos.

 

O que é Patreon?

Prometo que a explicação estará nos próximos parágrafos, mas antes quero compartilhar contigo meu projeto por lá. Produzo conteúdo online e gratuito desde 1999 e confesso que comecei sem um plano para remuneração. E para falar a verdade, só passei a ganhar algum dinheiro com conteúdo mais de 10 anos depois, em 2012, quando publiquei meu primeiro livro na Amazon.

Escrevo os artigo e gravo os podcasts porque gosto. Pode parece ingênuo, mas é a mais pura verdade. Gosto tanto que já precisei me repreender algumas vezes para não fazer isso antes de terminar as atividades que me remuneram de verdade.

O problema de paixões é que elas são cegas e sem limites. Hoje, pago o sistema de hospedagem para o site, o Vimeo Pro, nomes de domínio e diversos outros serviços online. Tudo isso só para gerar conteúdo gratuito! Há algum tempo resolvi fazer as contas e fiquei impressionado com a quantidade de Dólares que despejo em bits e bytes por ano. Cancelei algo? Não! Paixões, conforme já dito, são cegas :-)

Além disso, há inúmeros estudos sobre o aumento da quantidade de conteúdo gratuito e formas alternativas de remuneração. A propósito, como dica de leitura complementar, os autores Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee dedicam alguns capítulos do livro The Second Machine Age ao tema.

Há alguns dias descobri "um tal de Patreon". Dois ouvintes compartilharam a ideia comigo e enxerguei potencial. É uma espécie de Kickstarter com uma diferença, não há uma meta ou data para lançar o projeto. O produto ou serviço já está pronto. No meu caso, o podcast, vídeos e artigos. O que falta é o financiamento para cobrir os custos e crescer.

O Patreon tem uma cara e jeitão de rede social. Aliás, você não precisa gastar nenhum centavo para fazer parte do serviço. Por isso, recomendo que ao terminar de ler, realize um cadastro para navegar por lá e, ao menos, interagir com a parte gratuita do conteúdo.

Pense no seu perfil do Facebook. Terá algo similar ao se cadastrar. Agora imagine que as pessoas que produzem conteúdo são as Páginas que você segue no Facebook. Pronto, isso é a base do Patreon.

A diferença é que o que publicamos nas paginas de produtos pode ser aberto ou fechado. Vai depender da proposta de cada um. Alguns autores têm usado o serviço para solicitar doações para conteúdo que já existe e nesse caso deixam tudo na página deles aberto para o público. Ou seja, quando você cria sua conta e segue essas páginas/pessoas, terá acesso a esse conteúdo mesmo que não contribua financeiramente.

A ideia é deixar a opção de colaborar ou não 100% na mão do público. Uns colaboram e outros não. Por outro lado, há um outro grupo com uma proposta um pouco diferente com a qual me identifico mais. Gosto da ideia de manter aberto e disponível para todos o que já produzo e dar algo adicional aos que decidiram patrocinar meus projetos.

Meu plano é basicamente o seguinte...

  1. Publicar em patreon.com/vladcampos tudo que já publico gratuitamente.
  2. Publicar conteúdo adicional e exclusivo para os colaboradores.

Dessa forma, se você quer apenas me seguir por lá sem pagar nada, verá em um ambiente centralizado tudo que publico gratuitamente. Se você faz parte do grupo de pessoas que deseja colaborar financeiramente com meus projetos para que eu possa produzir ainda mais, receberá conteúdo adicional e exclusivo.

Sei que nem todos tem condições ou desejam pagar mais e por isso mantive a contribuição bem baixa para que no volume eu consiga gerar o suficiente para manter os projetos vivos e crescer ainda mais.