O que é Google One 1⃣ | 289

O Google One ainda está engatinhando, mas a impressão que tenho é de que o objetivo é criar um concorrente para o Office 365 da Microsoft. O G Suite já funciona como um pacote de serviços, mas o foco são empresas. Portanto ele concorre, na verdade, com a versão Business do Office 365.

Faltava um pacote do Google para pessoa física. Achei a iniciativa muito interessante e apesar de já ser um usuário G Suite, venho experimentando o Google One há algum tempo. No vídeo de hoje explico o que é o serviço, vantagens, desvantagens e qual a minha opinião.

Vamos começar por algo bem polêmico, os termos de uso e política de privacidade. O recado é claro: "O Google coleta e usa as informações fornecidas por você para oferecer o Google One conforme descrito nestes Termos, de acordo com a Política de Privacidade do Google". Ou seja, é o mesmo que já acontece nos demais serviços gratuitos do Google. Felizmente há algum tempo, o Google disponibilizou o endereço http://myaccount.google.com para que você possa desligar uma série de serviços de rastreamento e coleta de dados. Para entender melhor, assista o vídeo.

Como o Google gosta de complicar as coisas com um monte de serviços parecidos, vamos agora tentar compreender o que é o que. O Google Drive não acabou, continua existindo e faz parte do Google One. Em outras palavras, ele funciona como o serviço de armazenamento do Google One. Portanto, se você for um usuário pagante do Google Drive, não perderá nada ao aderir ao Google One.

Os outros serviços incluídos são: acesso ao suporte, que é algo que os serviços gratuitos do Google nunca tiveram e o compartilhamento familiar.

Em termos de planos, gostei dos degraus. São planos de 100 GB, 200 GB, 2 TB, 10 TB, 20 TB e 30 TB. Ou seja, é possível aumentar a medida que o espaço vai sendo necessário.

E no compartilhamento familiar, que pode ser de até 6 pessoas ao todo, ninguém vê o conteúdo das outras pessoas. Mas antes de pensar em compartilhar com seus amigos, aqui vai uma observação importante. Você não pode definir a quantidade de armazenamento que cada um usará.

O último benefício é um agrado, um presentinho. Você ganha um pequeno crédito que pode usar na Google Play. Ou seja, o dinheiro vem, mas volta para eles. Mas foi bom, aluguei um filme que ainda não havia assistido e que não está disponível no Netflix.

Você está usando ou pensa em usar o Google One? Por favor, compartilhe sua opinião a respeito do serviço. E se conhece alguém interessado neste assunto, use os botões abaixo para enviar o link.

 

Chromebook: ferramenta de trabalho (opinião). | Ep. 217.

Em março de 2017 publiquei um vídeo no canal a respeito dos Chromebooks. Apesar da grande quantidade de informações que compartilhei naquela ocasião, até hoje recebo muitas perguntas técnicas.

Como há muito vinha querendo gravar um episódio novo a este respeito, chegou a hora de unir o útil ao agradável. No vídeo de hoje compartilho algumas novidades no mundo dos Chromebooks e como uso o meu para trabalhar.

O primeiro mito que precisamos destruir é de que os Chromebooks só funcionam conectados a Internet. Isso é mentira, mesmo antes da possibilidade de instalação de aplicativos Android, os Chromebooks funcionavam sem conexão.

Portanto, gostaria de lançar um desafio. Usando seu computador Mac ou sistema Windows, desligue a Internet do escritório por alguns minutos e me diga exatamente o que consegue fazer. Tenho certeza que será pouca coisa. Mesmo que consiga trabalhar em algumas atividades, certamente precisará da Internet para pesquisar ou enviar informações.

Conforme já havia explicado no vídeo de 2017 e reforço no vídeo de hoje, o Chromebook pode, sim, ser usado para trabalhar em documentos, planilhas, apresentações e outros serviços, mesmo sem conexão com a Internet. 

Além disso, aplicativos para Android passaram a poder ser instalados nos Chromebooks. Ainda estamos vivendo uma etapa de amadurecimento porque os aplicativos precisam ser levemente adaptados para que funcionem bem, mas é algo que vem acontecendo com frequência.

E como andam os aplicativos já portados? Dê um modo geral a coisa toda melhorou muito. Muito mesmo. Por exemplo, no caso das janelas, no começo, os aplicativos ficavam em janelas fixas, agora muitos deles já podem ser livremente redimensionado. É o caso, por exemplo, do Evernote, 1Password, Twitter etc.

A minha forma de interpretar toda essa situação é outra. Você terá mais dificuldade de adotar um Chromebook se for uma pessoa que prefere ou depende de softwares rodando localmente no seu computador.

Por exemplo, o aplicativo Outlook no lugar de usar a versão outlook.com ou o Office instalado em lugar de usar a versão online.

Vejo um futuro em que o equipamento pouco vai importar. E não sou o único. Os serviços Google são basicamente todos online e em entrevista recente, Satya Nadella, CEO da Microsoft, disse algo como um "um Windows em toda parte". Estava se referindo aos produtos da empresa rodando em qualquer dispositivo e de forma bem integrada. Até a Apple vem portando todos os seus serviços para versões que funcionam online. Portanto, o Chromebook já nasceu com um olhar para o futuro.

Que tipo de usuário é você? Prefere aplicativos rodando no seu computador ou usa tranquilamente as versões online? Por favor, deixe seu comentário

 

Backup e sincronismo de fotos e arquivos (inclusive Evernote) com novo serviço do Google.

Além de juntar os aplicativos de sincronismo Google Drive e Google Photos, o novo serviço "backup e sincronismo" do Google passa a permitir backup de arquivos armazenados em nossos computadores.

Ao instalar o novo aplicativo, que está disponível para Mac e Windows, os antigos aplicativos Drive e Photos são substituído e você passa a controlar tudo em um só painel.

Permanecem todas as configurações para sincronismo de arquivos (Google Drive) e sincronismo de fotos (Google Photos) e além disso você poderá também selecionar pastas no seu computador que serão automaticamente duplicadas online, criando uma cópia backup. Nas configurações do serviço você poderá definir se deseja ou não que arquivos apagados no seu computador sejam também excluídos no Google Drive.

Como utilizo o serviço G Suite com espaço de 1TB para armazenamento, todos os meus arquivos já estavam no Google Drive. Porém, quando estou trabalhando em um vídeo costumo deixar o material relacionado a ele no desktop. Ao terminar movo tudo para a respectiva pastas.

Tenho um backup local de todo o computador, mas estes arquivos que mantenho temporariamente no desktop não tinham um backup em nuvem.

Com o novo serviço do Google, posso ter tanto o desktop quanto minha pasta de arquivos do Evernote selecionados para backup no Google Drive. Para chegar até a pasta de armazenamento do Evernote no Mac ou Windows, leia o artigo "Como mover a base de dados do Evernote para um armazenamento externo".