VCP 151 - Entenda o que é Bitcoin

O Bitcoin é uma moeda virtual criada em 2009 e que funciona de forma autônoma. Ou seja, não existe um controle central — governos, empresas ou instituições — para verificação e validação das transações ou manipulação da quantidade de moeda em circulação.

E como isso é possível? O próprio sistema, rodando via rede de usuários, mantém tudo em funcionamento. Esse grupo, por sua vez, é remunerado pelo trabalho executado. Ouça o episódio e entenda os detalhes.

O Nubank é bastante promissor!

Para os que não sabem, o Nubank é um cartão de crédito que pode ser utilizado como outro qualquer. Mas as semelhanças com os modelos tradicionais terminam aqui! Todo o processo de solicitação, acompanhamento de gastos e pagamento de fatura acontece via aplicativo no seu telefone.

Solicitação

A primeira coisa a fazer é solicitar um convite no site. Depois da avaliação do seu cadastro você receberá um e-mail com um código que deve ser inserido em campo específico no App. Feito isso você será guiado por telas nas quais criará uma senha para o cartão e preencherá uma série de informações pessoais para serem enviadas juntas com fotografias do seu rosto e do documento de identidade. Ao receber o cartão, basta abrir o App novamente e realizar o desbloqueio.

Uso

No dia a dia o App continua sua vida de extensão do cartão. A cada compra, um alerta. Meu outro cartão é do Itaú e notei que os avisos de compra do Nubank são muito mais velozes. Chegam imediatamente depois da inclusão de senha no terminal do estabelecimento. Isso quando a rede de dados da TIM funciona, é claro.

A tela principal do aplicativo funciona como uma timeline onde as compras ficam ordenadas por data decrescente acompanhadas de valor e nome do estabelecimento com mapa e geolocalização. Em uma tela secundária você pode ver o valor acumulado da fatura atual e quanto ainda lhe resta de imite. Pode também executar diversas tarefas como: resgate de senha, bloqueio temporário do cartão e chat com suporte.

Problemas

Estou bastante satisfeito com o cartão, mas o processo não foi 100% aqui. Algumas pessoas tem reclamado de demora no recebimento do código de aprovação, mas no meu caso foi rápido. O que demorou foi o cartão propriamente dito.

Depois dos 10 dias prometidos para entrega, entrei em contato solicitando informações e algum apressadinho do suporte não leu o que escrevi e me enviou um e-mail padrão dizendo que os processos de aprovação de novos usuários estão demorando por conta do excesso de demanda. Precisei repetir que já havia realizado o procedimento de solicitação e depois de um vai e vem de mensagens, me passaram um status da entrega. Chegou alguns dias depois.

Uma outra coisa que está me confundindo é que aparentemente você pode gerar um boleto a qualquer momento para liquidar parte da sua dívida. Só depois de navegar pelo App e conversar com o suporte é que entendi que existe uma informação de fechamento e vencimento no topo da lista de compras.

Mas para um sistema tão sofisticado, algo básico parece ter sido ignorado. Perguntei se receberia algum alerta de fechamento da fatura para não esquecer de pagar e a resposta segue abaixo.

Vladimir, vc deverá consultar no mês vigente que aparecerá a informação de fechamento e não disponibilizamos ainda informativo

Bom, sem um sistema de alerta, o melhor é colocar a fatura em débito automático, certo? Foi minha pergunta seguinte ao suporte, mas o recurso ainda não está disponível.

A opção de débito ainda não está disponível, mas caso seja um das melhores opções de nossos clientes ela será implementada. Porém, nesse primeiro momento estamos priorizando o funcionamento do App para a satisfação de toda nossa gama de clientes

Aparentemente o que posso fazer é colocar um alerta no meu calendário para evitar os juros e multa.

Próximos passos

Além dos já mencionados débito automático e alerta de fechamento de fatura, gostaria de ver alguma parceria com programa de milhagem de companhias aéreas. Mas como a anuidade do cartão é zero e esse tipo de parceria muito provavelmente envolve dinheiro, não sei se acontecerá.



Mesmo sem um programa de milhagem, desde o dia 8 de novembro, quando realizei minha primeira compra, deixei meu antigo cartão na gaveta. Pretendo continuar com o Nubank por algum tempo em virtude de tantas informações instantaneamente na palma da mão e da comodidade do uso e serviços via App como bloqueio, por exemplo.

E é claro que estou também bastante curioso para saber se os bancos tradicionais manterão suas atuais práticas ou farão algo para aprimorar nossa experiência. Veremos.

Atualização: recebi um feedback do Nubank a respeito do alerta de fatura. Segue abaixo.

Sobre o livro Race Against the Machine

Race Against the Machine (ou Novas tecnologias versus empregabilidade) descreve em poucos capítulos algo que venho tentado explicar para as pessoas há tempos. Com base em diversos estudos, os autores defendem a tese da "corrida contra a máquina". Ou seja, quanto mais a tecnologia evolui, mais ela "rouba" empregos dos humanos.

Isso não é novidade. Quando ainda estudante de economia, aprendi inclusive que esses "empregos roubados" eram sempre substituídos por outros que surgem em decorrência da inovação. O problema atual é que os avanços têm ocorrido em uma velocidade muito maior e os autores defendem que muitas corridas estão sendo perdidas para as máquinas.

Portanto, a falta de empregos nos países mais ricos é fruto do sucesso, ou seja, excesso de evolução tecnológica, que por sua vez, não atingiu ainda os países em desenvolvimento. Obs.: essa segunda parte da frase é minha e não está descrita no livro.

Ou seja, o menor desemprego no Brasil pode ser uma faca de dois gumes. Será que estamos empregando mais por sermos tecnicamente menos avançados? Uma vez que os autores defendem ao longo do livro uma forma de driblar a derrota da corrida para as máquinas, pode ser que estejamos ficando para trás a uma distância muito maior que a habitual.



É uma reflexão séria que devemos todos fazer enquanto cidadãos. Queremos um países com empregos de segunda classe apenas para termos empregos, ou queremos um país técnica e cientificamente evoluído que busca alternativas sérias para vencer a corrida contra as máquinas? Pense nisso a próxima vez que um economista ou político sugerir medidas keynesianas para manter a economia em funcionamento.

Me parece muito ingênuo e amador dificultar a internacionalização e desacelerar a tecnologia e sua evolução natural apenas para manter empregos. E infelizmente é isso que tem sido feito no Brasil há algum tempo.

PS.: Gostei tanto do livro que estou agora lendo o The Second Machine Age, que parece ser uma versão mais elaborada e sofisticada do Race Against the Machine (Novas Tecnologias Versus Empregabilidade).