Evernote em 2019 com novo CEO 🐘 | 285

Como assim um novo CEO? Confesso que também fui pego de surpresa quando li a notícia em outubro do ano passado (2018) no site da Evernote. E fiquei ainda mais perdido quando fui em busca de informações no site da empresa.

O post apresentando o Ian Small como novo CEO é muito básico e o perfil dele no LinkedIn é igualmente simples. Enfim, tudo de relevante que consegui descobrir até o momento foi que ele veio do mercado de telecom. Mas tudo bem, o que importa não é quem ele é e sim o que ele fará e hoje resolvi conversar a respeito dos planos da empresa para 2019.

O artigo do dia 3 foi assinado pelo próprio Ian e ele começa dizendo que passou os dois últimos meses conhecendo as pessoas da equipe e também a opinião dos usuários do aplicativo.

Ele também reconheceu alguns dos principais problemas da empresa. O sincronismo, que nem sempre funciona. A defasagem da versão Windows em relação a versão Mac. Diferenças de funcionamento do aplicativo nos variados sistemas e respectivos bugs. E finalmente a parte que mais gostei, o fato de que o Evernote para dispositivos móveis parece uma versão simplificada do aplicativo para computador. Enfim, é um tipo de reconhecimento que nunca vi acontecer na empresa.

E concluiu o artigo com três pontos que serão o foco em 2019. Confesso que, em parte, me pareceu uma repetição do que foi dito pelo Chris O'Neill, mas, conforme já mencionado, gostei muito da honestidade dele ao reconhecer as falhas do Evernote e darei, sim, meu voto de confiança.

1 - UMA EXPERIÊNCIA MAIS CONSISTENTE

O objetivo é corrigir os problemas que existem em todas as versões, começando pela gratuita. Gostei de ouvir isso, especialmente depois que ele reconheceu de forma pública alguns dos problemas mais antigos do aplicativo.

2 - MUDANÇAS NA FORMA DE DESENVOLVER E LANÇAR NOVIDADES

Éum ponto interessante porque desde o princípio o aplicativo foi desenvolvido por equipes diferentes para cada um dos sistemas. Por um lado, faz sentido porque desenvolver para Windows é diferente de desenvolver para Mac e o mesmo vale para Android e iOS.

Mas a empresa adotou uma espécie de competição interna e experimentação nas diferentes plataformas e isso cria situações estranhas. Quem usa o aplicativo em mais de uma plataforma já percebeu como alguns recursos não existem em todas elas.

3 - MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA

Confesso que aqui fiquei um pouco confuso porque me parece com o que o antigo CEO disse que fez. Enfim, pode ser que ele tenha identificado que ainda há trabalho a ser feito e só nos resta acompanhar a empresas em 2019 para descobrir que melhorias são essas.

Mas de tudo que li, o que mais gostei foi o fato dele ter reconhecido que o aplicativo não é mobile-first, ou seja, não é pensado de forma moderna com foco nos dispositivos móveis. Ultimamente tenho usado muito o Evernote para Android e iOS e confesso que venho apanhando um pouco por falta de determinados recursos. E você, o que achou desse comunicado? O que pensa a respeito do futuro da Evernote. Por favor, compartilhe sua opinião.