Não tenho mais livros... E agora?

Já disse algumas vezes e repito, não tenho nada contra papel ou livros impressos. Por outro lado enxergo inúmeras vantagens no eletrônico. Além disso me adaptei por completo a essa nova era que nos permite acesso a uma enorme quantidade de conhecimento e entretenimento em espaços de armazenamento cada vez menores.

Esse final de semana finalmente dei o passo derradeiro de um longo caminho que teve início em 2001 quando comprei minha primeira câmera digital. Depois das fotos, migrei música, filmes e agora livros para meu computador. Mantive apenas o que interessa: o conhecimento e o fichamento no Evernote. Infelizmente precisei "desmontar" alguns livros para otimizar a digitalização (exemplos abaixo).

O momento de desapego finalmente chegou e, apesar de gostar muito de ler, os que entrarem a partir de agora no meu escritório verão apenas espaços vazios nas prateleiras. Hoje dormirei mais leve. Viva o minimalismo!

Base para monitor com espaço para HDs

Há semanas eu procurava uma solução para colocar dois HDs embaixo do meu monitor externo. O espaço vinha sendo ocupado por um livro e não fazia sentido não utilizá-lo de forma mais produtiva. O livro e o espaço, diga-se de passagem.

É claro que poderia ter comprado algum tipo de suporte ou mandado fazer algo especialmente para a necessidade, mas adoro construir coisas e reaproveitar materiais a exemplo da uma base de madeira que fiz em 2010 para meu primeiro iPad.

O que você vê na foto é um porta papeis de acrílico de cabeça para baixo. A largura não era 100% adequada, mas funcionou bem. Já a profundidade que eu precisava era 19 cm, mas acabou sendo um pouco mais. Para riscar, procurei pela casa algo reto com mais ou menos essa largura. Encontrei a tampa de uma caixa com 21 cm. Perfeito!

Encostei numa parede o fundo do porta papeis de cabeça para baixo e com a tampa da caixa em cima dele (também encostada na parede) risquei de fora a fora a linha que serviria para guiar o corte.

Pensei em diversas formas de cortar isso e muitas tinham relação com metais quentes. Corto plástico assim desde muito novo e nunca funcionou muito bem. Já estraguei muitas facas e jamais encontrei a técnica perfeita!

Preferi utilizar um daqueles serrotes para metal com a serra bem fina e exerci toda paciência do mundo para não quebrar o acrílico ao serrar. O corte final ficou assim quase perfeito pois usei depois uma lixa d’água para o acabamento.

As laterais e a parte traseira estão sustentadas pelas bordas do porta papeis (de cabeça para baixo). Achei que seria o suficiente, mas assim que coloquei o monitor no topo percebi que a frente afundou afastando um pouco as laterais. Ficou evidente que isso se estragaria com o tempo. Por isso parafusei aquele pequeno “pé” central. Achei que ficou até charmoso e ainda combina com o suporte do meu iPad também de madeira clara.

No fundo há uma abertura para os cabos USB dos dois HDs. Risque um retângulo e com uma broca bem fina furei em volta da linha. Nesse caso foi preciso um pouco de metal quente para unir o espaço entre os pequenos furos e separar a peça que deu lugar para passar os fios. Também lixei bem com lixa d’água e pronto :-)

Capa caseira para Kindle

Há anos (2013) construi essa capa para Kindle que até hoje (2016) tem funcionado muito bem. Uma vez que o equipamento em si é bastante resistente, o objetivo principal da capa sempre foi proteger de arranhões a tela que é de plástico. foi feita com uma pasta plástica antiga, fita dupla-face "emborrachada" (é um pouco mais grossa e gruda em mais superfícies), tesoura, estilete, lápis, canivete e elástico de uma pasta antiga de papel.

Nota: Não comprei nenhum destes itens especificamente para fazer a capa. Queria conseguir fazer com o disponível em casa.

O processo

  1. Coloquei o Kindle de bruços sobre a pasta e risquei com o lápis o contorno dele na primeira metade da pasta;
  2. Recortei a primeira metade da pasta;
  3. Coloquei o Kindle invertido na outra parte e risquei e recortei imitando o processo da primeira metade;
  4. Medi a posição dos furos nas duas pontas da parte traseira da pasta utilizando a lâmina especial do meu canivete para fazer os furos para o elástico;
  5. Utilizei o estilete para "limpar" o excesso de plástico dos furos;
  6. Coloquei o elástico e com o Kindle dentro da nova capa, medi o tamanho exato que o elástico precisaria ter para manter a capa bem fechada;
  7. Fixei o Kindle na capa utilizado a fita de dupla face.

Dica extra: um leitor posteriormente sugeriu utilizar uma lixa feminina de unha em todo contorno da capa para retirar o excesso.