O que é Google One 1⃣ | 289

O Google One ainda está engatinhando, mas a impressão que tenho é de que o objetivo é criar um concorrente para o Office 365 da Microsoft. O G Suite já funciona como um pacote de serviços, mas o foco são empresas. Portanto ele concorre, na verdade, com a versão Business do Office 365.

Faltava um pacote do Google para pessoa física. Achei a iniciativa muito interessante e apesar de já ser um usuário G Suite, venho experimentando o Google One há algum tempo. No vídeo de hoje explico o que é o serviço, vantagens, desvantagens e qual a minha opinião.

Vamos começar por algo bem polêmico, os termos de uso e política de privacidade. O recado é claro: "O Google coleta e usa as informações fornecidas por você para oferecer o Google One conforme descrito nestes Termos, de acordo com a Política de Privacidade do Google". Ou seja, é o mesmo que já acontece nos demais serviços gratuitos do Google. Felizmente há algum tempo, o Google disponibilizou o endereço http://myaccount.google.com para que você possa desligar uma série de serviços de rastreamento e coleta de dados. Para entender melhor, assista o vídeo.

Como o Google gosta de complicar as coisas com um monte de serviços parecidos, vamos agora tentar compreender o que é o que. O Google Drive não acabou, continua existindo e faz parte do Google One. Em outras palavras, ele funciona como o serviço de armazenamento do Google One. Portanto, se você for um usuário pagante do Google Drive, não perderá nada ao aderir ao Google One.

Os outros serviços incluídos são: acesso ao suporte, que é algo que os serviços gratuitos do Google nunca tiveram e o compartilhamento familiar.

Em termos de planos, gostei dos degraus. São planos de 100 GB, 200 GB, 2 TB, 10 TB, 20 TB e 30 TB. Ou seja, é possível aumentar a medida que o espaço vai sendo necessário.

E no compartilhamento familiar, que pode ser de até 6 pessoas ao todo, ninguém vê o conteúdo das outras pessoas. Mas antes de pensar em compartilhar com seus amigos, aqui vai uma observação importante. Você não pode definir a quantidade de armazenamento que cada um usará.

O último benefício é um agrado, um presentinho. Você ganha um pequeno crédito que pode usar na Google Play. Ou seja, o dinheiro vem, mas volta para eles. Mas foi bom, aluguei um filme que ainda não havia assistido e que não está disponível no Netflix.

Você está usando ou pensa em usar o Google One? Por favor, compartilhe sua opinião a respeito do serviço. E se conhece alguém interessado neste assunto, use os botões abaixo para enviar o link.

 

Preciso de um novo Chromebook 💻 | 287

Uma das vantagens do Chromebook é estar sempre atualizado. É um processo automático mas que infelizmente pode ser também uma desvantagem. Se houver algum problema causado pela versão mais nova é bem complicado voltar para a anterior.

É claro que cada atualização passa por etapas com baterias e baterias de testes feitos inclusive pela comunidade que gosta de experimentar versões em beta, mas infelizmente desde que atualizai para o Chrome OS 69, venho sofrendo com uma espécie de incompatibilidade entre meu Chromebook e o G Suite.

Para quem está chegando agora ao Canal, recomendo uma visita a vladcampos.tv/chromebook para assistir todos os meus vídeos a respeito do tema Chromebook e entender o que vem acontecendo comigo.

Meu Chromebook começou ter vários problemas com aplicativos Android depois do upgrade para o sistema 69. É algo muito estranho. O equipamento simplesmente congela por alguns segundos e quando volta ao normal todos os aplicativos Android pararam de funcionar e a Play Store deixa de existir. A única forma de reativar a loja e baixar novamente os aplicativos é formatando o Chromebook.

Realizei inúmeros testes durante semanas e finamente cheguei a conclusão de que infelizmente existe algum tipo de incompatibilidade entre o G Suite e o Acer R11. Descobri essa ligação testando tudo lentamente. Fui instalando novos aplicativos e recursos e trabalhando até o problema acontecer novamente.

Como na época eu estava usando muito o WeVideo, o serviço foi o primeiro vilão que identifiquei. Entrei em contato com o suporte da empresa e eles foram extremamente generosos realizando vários testes para tentar reproduzir o problema. Conseguiram, mas disseram que não havia nada de errado com o serviço e que provavelmente se tratava de algo relacionado ao equipamento porque o WeVideo funcionou normalmente em outros equipamentos testados.

Entrei em contato o suporte do G Suite já sabendo que não teria muito sucesso porque, como expliquei em vídeo anterior, eles sempre dizem que só podem ajudar se o Chromebook estiver incluído como um equipamento gerenciado pela conta corporativa. Como não preciso gerenciar o Chromebook remotamente, não vou ativar um serviço, que vai praticamente dobrar o valor da minha conta mensal do G Suite.

Continuei os testes e de fato não é só o WeVideo que trava o Chromebook. Percebi que outros fatores levavam ao problema e resolvi realizar uma experiência mais radical. Usar o Chromebook com uma conta gratuita do Google.

Tudo tem funcionado perfeitamente desde então e para ter acesso aos serviços que uso no G Suite, adicionei outro usuário no navegador Chrome e posso trabalhar quase que normalmente. Não é perfeito porque o Google Drive que aparece no gerenciador de arquivos do Chromebook será sempre o da conta que está assinada no equipamento. Ou seja, no meu caso, a conta gratuita.

Enfim, é um paliativo, que até funciona bem, mas decidi que chegou a hora de comprar um novo equipamento. Muita gente me pergunta que Chromebook comprar e sempre digo que depende de cada caso, mas existem alguns fatores que considero importantes. Caso esteja interessado em comprar um Chromebook, assista o vídeo e conheça mina opinião a respeito das configurações que considero mais importantes.

Se conhece alguém interessado no assunto, por favor, compartilhe o vídeo. E aproveite para divulgar o canal enviando o endereço vladcampos.tv para os amigos e colegas de trabalho.

 

Calendly para combinar reuniões 📆 | 286

Estou sempre recebendo perguntas a respeito de como usar o Google Agenda para combinar compromissos. Se você já foi meu aluno na mentoria, percebeu que uso um sistema automático de reserva de horários.

O serviço chama-se Calendly, que descobri por conta das minhas conversas com o pessoal da Evernote. Ele está disponível em português e a versão gratuita é bastante completa e muito provavelmente será suficiente para seu pequeno negócio, departamento onde trabalha ou mesmo suas reuniões pessoais.

Para criar sua conta, visita Calendly.com e coloque seu email na caixa de inscrição. Se o email for Gmail ou G Suite, o Calendly já vai sugerir a conexão via conta do Google e isso facilitará bastante as coisas porque já ligará o seu calendário ao serviço. Mas, se preferir, é possível também clicar na opção para criar um usuário e senha independentes e em um segundo momento conectar o calendário. Para entender melhor, assista o vídeo.

O próximo passo é confirmar o email e depois criar um nome e endereço para sua página dentro do Calendly. Ele pegará automaticamente o seu nome, mas é possível mudar isso na hora ou depois. Em seguida é preciso conectar a sua agenda para que o Calendly saiba os horários nos quais você já tem um compromisso.

É possível conectar diversos serviços, inclusive o Outlook, mas no tutorial publicado no YouTube usei o Google Agenda. Basta ir seguindo os passos e, se quiser, já defina sua disponibilidade de dias da semana. Isso também poderá ser mudado a qualquer momento no futuro.

Na tela Tipos de Evento você verá 3 tipos, um de 15 minutos e outros de 30 e 60. Existem 3 disponíveis porque você ainda está no período de experimentação da conta paga, mas a conta gratuita permite apenas um tipo de agendamento. Minha sugestão é: desligue dois deles usando a chave ao lado da engrenagem e vamos editar o de 15 minutos.

Existem diversas opções de configuração, mas só os dois primeiros itens fazem parte da conta gratuita. No primeiro, "O que é esse evento", é possível mudar tudo: nome e tempo de duração do evento, quantidade de dias no futuro em que as pessoas poderão marcar um compromisso com você, cores etc. Enfim, recomendo que você explore as opções.

Logo abaixo, no item “Quando as pessoas podem reservar este evento” é que estão as opções de formatação do agendamento propriamente dito. Mas o ponto mais importante é indicar que dias da semana e respectivos horários estão livres para marcação.

Agora pegue seu endereço do Calendly que tem o formato calendly.com/seu-nome e envie para quem deseja marcar uma reunião com você. A pessoa verá seus horários livres e poderá marcar o compromisso que aparecerá automaticamente nas duas agendas.

Outra possibilidade é clicar na engrenagem que fica ao lado do nome do evento na tela Tipos de Evento e capturar o código para embutir (incluir) o calendário do Calendly dentro do seu site. Se você não tem conhecimento técnico, envie o vídeo para o responsável pelo seu site e ele saberá o que fazer.

Gostou? Por favor, considere a possibilidade de ajudar o Canal com uma pequena doação. Outra forma de ajudar é usar um dos botões abaixo e compartilhar o vídeo e deixando seu comentário.