305 Walnut Street (a sede da Evernote).

Terceira vez em São Francisco, mas nunca estive na cidade como turista. As viagens foram sempre a trabalho para participar da Evernote Conference.

E por incrível que pareça, nunca houve uma conjunção de fatores que me permitissem visitar a sede da empresa em Redwood. Mas dessa vez o universo conspirou a meu favor.

Cheguei por volta das 11:30h e depois de um tour, fui convidado para o almoço do dia (mexicano). Já havia assistido diversos vídeos oficiais mostrando a empresa, mas nada como perambular pelos corredores onde tudo acontece.

Não é permitido filmar ou fotografar quase nada. O jeito é tentar descrever. Para chegar a Redwood, peguei a Caltrain, o mesmo que me levou a sede da Apple em outra ocasião. A cidade é pequena e é possível andar até a rua Walnut. Foi o que eu fiz!

Seguindo as coordenadas do Google Maps, já vi de longe a placa com o elefante no topo do prédio. Fiquei emocionado, é claro. E lembrei do episódio do antigo podcast oficial da Evernote no qual o Phil Libin descreve a chegada da placa.

Abri a porta e lá estava a famosa recepção com o popular painel que aparece em tantas fotos. Nestas horas é fácil perceber que no fundo somos todos sentimentais.

Na outra extremidade uma pequena loja com produtos do Market. Há também um café servido por funcionários que optaram por fazer o curso de barista pago pela empresa. Café e Evernote, é a combinação perfeita, logo pensei. 

Todos, inclusive Phill Libin, trabalham em um dos diversos ambiente sem divisórias. Existem salas para reuniões espalhadas pelo prédio e as únicas paredes que estão lá para dividir os grandes vãos, foram pitadas com uma tinta branca especial. Todos podem escrever e discutir ideias rabiscando aqueles imensos painéis. Porém, alguns preferem desenhar.

+ Evernote Conference 2014

Um detalhe curioso a respeito das salas de reunião é que não há agenda para marcar horários. Basta encontrar uma sala vazia e usar. Pensei nas vezes em que tentei usar salas em empresas brasileiras e a confusão que algumas pessoas fazem. Reservam a sala não usam. Não sei se o sistema da Evernote é eficiente, mas achei interessante lidarem com a situação de uma forma diferente.

Andar por aqueles corredores me fez pensar em muitas coisas. Minha descoberta e paixão a primeira vista pelo aplicativo em 2008. O formulário que preenchi no site para ser um embaixador, mesmo sabendo que o programa era apenas para residentes nos EUA. As várias entrevistas que fiz para me tornar um embaixador. As participações nas conferências e tudo que veio depois. Foi, definitivamente, um dia especial.

Depois do tour e do almoço, peguei o trem de volta para São Francisco com uma certeza: a lembrança desse dia e da minha participação na Conferência de 2014 permanecerá comigo por muito tempo.